quarta-feira, 16 de julho de 2008

PRODUÇÃO ESCRITA - 2º e 3º ANO

Epitáfio

Devia ter amado mais, ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais e até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer
Queria ter aceitado as pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos, trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos com problemas pequenos
Ter morrido de amor
Queria ter aceitado a vida como ela é
A cada um cabe alegrias e a tristeza que vier

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr

In: TITÃS. A melhor banda de todos os tempos da última senana. 2001.


LEMBRANÇA DE MORRERÁlvares de Azevedo

Quando em meu peito rebentar-se a fibra,
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nem uma lágrima
Em pálpebra demente.

E nem desfolhem na matéria impura
A flor do vale que adormece ao vento:
Não quero que uma nota de alegria
Se cale por meu triste passamento.

Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto o poento caminheiro...
Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro...

Como o desterro de minh’alma errante,
Onde fogo insensato a consumia,
Só levo uma saudade — é desses tempos
Que amorosa ilusão embelecia.

Só levo uma saudade — e dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas...
E de ti, ó minha mãe! pobre coitada
Que por minhas tristezas te definhas!

De meu pai... de meus únicos amigos,
Poucos, — bem poucos! e que não zombavam
Quando, em noites de febre endoudecido,
Minhas pálidas crenças duvidavam.

Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda,
É pela virgem que sonhei!... que nunca
Aos lábios me encostou a face linda!

Ó tu, que à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores...
Se vivi... foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores.

Beijarei a verdade santa e nua,
Verei cristalizar-se o sonho amigo...
Ó minha virgem dos errantes sonhos,
Filha do céu! eu vou amar contigo!

Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz! e escrevam nela:
— Foi poeta, sonhou e amou na vida. —

Sombras do vale, noites da montanha,
Que minh’alma cantou e amava tanto,
Protejei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe um canto!

Mas quando preludia ave d’aurora
E quando, à meia-noite, o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri as ramas...
Deixai a lua pratear-me a lousa!

AZEVEDO,Álvares de. Poesias completas. Rio de Janeiro. Ediouro. 1996.p. 37-8. (Coleção Prestígio).

RESPONDA

1 - Álvares de Azevedo é representante do Ultra-Romantismo brasileiro. Que características do poema lido justificam essa afirmativa?

2 - De quem o poeta confessa que sentirá saudades quando morrer?

3 - Epitáfio é uma inscrição que se coloca sobre o túmulo. Localize no texto o epitáfio que o
poeta solicita para si.

4 - Geralmente, o artista é porta-voz do seu tempo. Em grupo, comparem o poema lido com a letra da música "Epitáfio", de Sérgio Britto, transcrita acima. Apontem diferenças e semelhanças, tentando identificar em que medida os textos são influenciados pela época em que foram escritos.

Sucesso!!

Um comentário:

eliane alves, gilsania silva, e vanusa mendes 2n4 disse...

1) Se uma lagrima as pálpebras me inunda, se um suspiro nos seios treme ainda, é pela virgem que sonhei!...que nunca aos labios me encostei a face linda.

2)leva saudades de sua mãe.

3)A sombra de uma cruz!e escrevam nela foi poeta, sonhou e amou.

4)Pelo sentimento a solidão a tristeza e a saudade.

A diferença é que Epitafio não viveu, o que devia ter vivido.

E Alvares de azevedo viveu, pouco mas viveu.

E a semelhança é que eles sentem saudades.