terça-feira, 12 de agosto de 2008

A linguagem do Realismo, do Naturalismo e do Parnasianismo - 2º Ano




Os quebradores de pedra (1850), de Gustave Coubert.

Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os escritores realistas se empenharam em retratar o homem e a sociedade em conjunto. Não bastava mostrar a face sonhadora e idealizada da vida, como haviam feito os românticos; era preciso mostrar a face nunca antes revelada: a do cotidiano massacrante, do casamento por interesse, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo, da impotência do ser humano comum diante dos poderosos.





Arrufos (1887), de Belmiro Barbosa de Almeida.

O quadro demonstra o preocupação dos artistas da época do Realismo em retratar a vida conjugal e a condição da mulher no casamento. No quadro, a posição da mulher - sentada no chão e de costas para o marido - e a rosa caída no chão se compõem ao ar de superioridade do marido, sentado no sofá, num plano acima da esposa. O que teria levado o casal à briga? Quem teria levado a pior?


Vaso chinês, dinastia Qing - Museu Britânico.



A arte sobre a arte. Distanciados dos problemas sociais, alguns parnasianos dedicaram-se a tematizar em seus poemas a própria arte. Por exemplo, descrevem com precisão obras de arte, como vasos, peças de escultura, lápides tumulares, bordados, etc. Com esse procedimento, restringiram ainda mais o princípio da arte pela arte, que se transformou em arte sobre arte.


Na segunda metade do século XIX, a literatura européia buscou novas formas de expressão, sintonizadas com as mudanças que ocorriam em diferentes setores: filosófico, científico, político, econômico e cultural. A renovação na literatura manifestou-se na forma de três movimentos literários distintos na França: o Realismo, o Naturalismo e o Parnasianismo. O realismo teve início com a publicação de Madame de Bovary (1857), de Gustave Flaubert; o Naturalismo, com a publicação de Thérèse Raquim, de Émile Zola; e o Parnasianismo, com a publicação das antologias parnasianas intituladas Parnasse contemporain (a partir de 1866).

Embora guardem diferenças formais e ideológicas, essas três tendências apresentam alguns aspectos comuns: o combate ao romantismo, o resgate do objetivismo na literatura e o gosto pelas descrições.
De modo geral, pode-se dizer que o Naturalismo é uma espécie de Realismo científico, enquanto o Parnasianismo é um retorno da poesia ao estilo clássico, abandonado pelos românticos.

A seguir você verá alguns tópicos sobre a linguagem da prosa realista:


1 - A descrição é um recurso utilizado tanto na prosa romântica quanto na prosa realista, mas com finalidades diferentes.

2 - Preocupada em retratar a realidade de modo objetivo, quase documental, a prosa realista geralmente é marcada pelo registro preciso do tempo e do espaço e pela narrativa lenta como forma de captar as sutilezas dos personagens com o propósito de observar o ser humano em sua totalidade, tanto exteriormente quanto interiormente. O retrato interior das personagens - isto é, a focalização dos seus conflitos, pensamentos, anseios, reflexões, desejos, etc. - chamado de introspecção psicológica.

3 - O romantismo supervaloriza o indivíduo e suas particularidades. Já o realismo, mesmo trabalhando em profundidade a personagem, tende a buscar nela aquilo que é universal, isto é, comum a cada um de nós e que define a nossa condição humana.

A linguagem da prosa naturalista

l - Um procedimento característico da prosa naturalista é apresentar o ambiente físico e social detalhadamente, como se o narrador estivesse munido de uma máquina fotográfica com lentes do tipo zum, que lhe permitisse compor e decompor os detalhes de cada coisa.

2 - A sua linguagem caracteriza-se pela adoção de uma postura analítica e científica diante da realidade. Por isso, faz uso freqüente da narração impessoal e de descrições minunciosas, com muitas sugestões visuais, oflativas, táteis, e auditivas.

3 - A prosa naturalista tem preferência pelo retrato de agrupamentos coletivos.

4 - No retrato das personagens, predomina a abordagem física e social.

5 - Os homens e mulheres são vistos por uma perspectiva biológica, em que se destaca o seu lado físico, instintivo, animal, por vezes até degradante.

A linguagem da poesia parnasiana

1 - Diferentemente do Realismo e do Naturalismo, que se propunham a descrever, analisar e criticar a realidade, os parnasianos defendiam o princípio da arte pela arte , isto é, achavam que a poesia devia voltar-se para si mesma, em busca da perfeição formal.

2 - O poeta parnasiano tende a abordar temas de uma forma racional e objetiva.

Boa leitura!
Fonte: Cereja, William Roberto. Português: linguagens: vol. 2: ensino médio. 5. ed. - São Paulo: Atual, 2005

3 comentários:

jocivania disse...

por causa do egoismo do interesse e da falcidade. ele achava que só o homem tinha voz ativa e por isso a mulher tinha que obedecer. A esposa porque o homem se achava superir. ass - jocivania 2-n4

eliane alves da silva 2n4 e gilsania silva santos e vanusa de jesus mendes disse...

Ele tende abordar varois temas por ter uma visão diferente do mundo artistico .É até um pouco egoista de sua parte mas bastante objetiva que despertá uma grande curiosidade.

Rejane Carvalho disse...

Gostei muito da forma como as características do Realismo, do Naturalismo e do Parnasianismo foram abordadas. Parabéns!